quarta-feira, 12 de maio de 2010

As palavras apenas enganam


Geralmente alguém diz em qualquer conflito : olha não foi isso o que queria dizer. Comum, não acham? Pena que quase nunca as conversas são gravadas, se assim fossem, teriamos replay ... E o replay diria que tanto o ouvinte e aquele que falou estariam errados. E sabe por que, filtramos aquilo que interessa e interpretamos a fala de outro através de nossa bagagem intelectual e emocional. Já dizia o famoso filosofo alemão Morituz Blabtreu, em uma discussão o que importa não é a chegar a verdade e sim convencer que seu ponto de vista está correto.
Correto estava eu, aluno de medicina examinando um paciente com doença hepática grave que iria ser submetido a uma cirurgia maior que seu abdome. Correto, pois sabia que o pós operatório seria complicadíssimo, e que talvez o pobre homem não voltaria para a casa. A enfermeira me disse, olha o paciente esta confuso…
E o paciente me disse, confuso é ela. Fiz então o papel do aluno, história da doença,uma interminável lista de perguntas, examinei e percebi que o camarada apresentava vários sinais físicos de insuficiência hepática. Logo, a enfermeira poderia estar correta, fígado mal pode dar confusão- mental (olha a cachaça rapaz!). Fui então verificar o quão a inteligência dele estava preservada, e fiz que ele guardasse 3 palavras em sua memória : vaso carro e janela. Ele as guardou e depois as recordou o que me disse que sua memória estava intacta. Confusão ele não tinha. Fim da minha avaliação, o camarada se vingou, e foi a vez dele perguntar como seria a cirurgia, suas chances ,dor e tudo mais. Percebi que ele estava preocupado e triste.
Foi então que baixou o melhor médico do mundo em mim e falei várias palavras confortantes, de ânimo e alento e o convenci que o que ocorresse na cirurgia seria bom, pois ele era um verdadeiro lutador, etc.. etc… Sai feliz do quarto do homem, o confortei.
A cirurgia foi grande e a convalescência do homem foi tanta que me formei e ele continuou internado.
Já no final da residência o encontro, fico feliz e então? pergunto. Conversamos por um tempo. Na despedida em tom agradecido ele me disse: doutor até hoje me lembro de suas palavras. Eu respondo- puxa não lhe falei que daria certo ? Ele meneou a cabeça, então para minha glória perguntei quais as palavras ele se recordava. O orgulhoso paciente me disse: vaso carro janela.
Dr. Jekyll

Nenhum comentário: