domingo, 23 de maio de 2010

A verdade sobre as vacinas


Uma boa velhinha me entregou um panfleto, após um doce sorriso: informações sobre vacina! Ao chegar em casa li o papel que tratava de uma esclarecedora campanha contra as vacinas, com pérolas ingênuas que relacionam a vacina contra tuberculose com osteíte, além de citar vagamente artigos médicos de revistas importantes , sendo o mais atual de 1994. A diante o panfleto informa sobre uma engenhoca que pode ser vendida em um site, claro, existe sempre algo a ser vendido, mas o original é não se vender o livro. Depois fui ao Google e digitei a verdade sobre as vacinas, bom daí nem se fala, um festival de sites correlacionando vacinas como coisa do PT ou PSDB, uma praga como a rifas, uma maldição igual manga com leite, fruto da conspiração dos Estados Unidos, um arsenal que cria doentes para lucros de indústria farmacêutica, e por aí afora. A boa velhinha não era assim, bondosa. Possivelmente algumas dessas pessoas que bradam mantras baseados em dogmas de origem fantasiosa, não saberiam apontar onde fica a vesícula biliar, nem dizer se o cerebelo fica na frente ou fica atrás do cérebro ou a diferença entre um protozoário e um vírus. Mas continuam falando, e semeando um alerta contra algo conspiratório. As vacinações podem trazer alguns efeitos colaterais, mais estes são raros e é muito difícil garantir que exista a relação de eventuais sintomas e vacinação. Nesta medida, dizer que vacinar deveria ser proibido é o mesmo que querer acabar com o futebol por causas de mortes de atletas em durante uma partida.
Mas como contra fatos não há argumentos vamos a estes:
1. O sarampo matou algo estimado em 200.000.000 pessoas no mundo, graças a vacinação o número de mortes causados por esta foi reduzido para 164.000 pessoas em 2008, (Torrey EF and Yolken RH. 2005. Their bugs are worse than their bite. Washington Post, April 3, p. B01, WHO Weekly Epidemiology Record, 4th December 2009 WHO.int)
2. A varíola dizimou a população européia no século XVIII. Estima-se que esta doença matava cerca de 2.000.000 pessoas por ano na década de 60. Graças a vacina, esta moléstia foi erradicada em 1979.( Kanda, N 2001. "Book Review The Eradication of Smallpox: Edward Jenner and The First and Only Eradication of a Human Infectious Disease". Nature Medicine 7 1: 15–6.)

E também é importante mencionar que a vacina contra H1N1 foi testada em pessoas na Europa antes de sua aplicação em massa no Brasil, o que garante sua segurança. Vale reafirmar que a gripe é sim, uma ameaça às pessoas, basta rememorar o estrago que fez a gripe espanhola em um único ano, o de 1918. Como epidemias gripais de tal impacto podem novamente surgir e gerar mortes de muitas pessoas, espalhando um caos quase apocalíptico, é muito bom ter o alento da ciência, que muda a roda da história através do combate às epidemias seja por vacinação, seja por outras medidas preventivas ou de tratamento.
A ciência liberta o pensamento, lembremos que muitos homens morreram para iniciá-la, acreditar em factóides é o retrocesso à eras pré-inquisição.
E não confio em panfletos que vendem engenhocas ou livros revolucionários.- e em tempo: a descoberta da primeira vacina foi revolucionaria.
Dr. Jekyll

2 comentários:

Rachel disse...

Será que a paranóia não surgiu com o problema dos lotes da vacina H1N1?
Ou é só mais um protesto de uma geração antiga que não consegue se confiar na tecnologia e medicina?
Bom...ou é conspiração, meramente.

Dr Jekyll VS Mrs Hyde disse...

Se houver problema com a vacina teremos a pior catástrofe da história do Brasil, pois em alguns estados o índice de vacinação será algo em torno de 90% da população. A população tem medo, acredito que sempre haverá desconfiança quanto a medidas do governo. Mas este medo é utilizado por espertalhões, que vão longe e enfiam propaganda de livros e até mesmo motores em panfletos contra a vacinação.